Peru: Sacsayhuaman e Vista Panorâmica de Cuzco

Último dia de viagem. Hora de voltar para Cuzco e pegar nosso vôo de volta ao Brasil. Antes de ir embora, resolvemos conferir o sítio arqueológico de Sacsayhauman, que não conseguimos visitar durante nossa estadia em Cuzco, por pura falta de tempo. Mas o lugar é incrível e merece a visita. Saímos bem cedo de Ollantaytambo para sobrar tempo antes de nosso vôo para o Brasil. 

Em Sacsayhuaman, você irá encontrar pedras gigantes e uma vista de Cuzco e para a Plaza de Armas, além de toda a região. Assim que chegamos de van em Cuzco, contratamos um táxi para nos levar para Sacsayhuaman e depois até o aeroporto. Assim pudemos deixar as malas no carro enquanto fomos conhecer o sítio. 

Sacsayhuaman – Último Dia no Peru

Pedras Gigantes e Vista Panorâmica de Cuzco

por Fábio Pastorello
 
O sítio arqueológico de Sacsayhuaman, somente sobraram 20% do que era o sítio original

Acordamos super cedo em Ollantaytambo, onde passamos uma gostosa e tranquila noite. Confira mais no nosso diário de viagem em Ollantaytambo.

EXT. CENTRO DE CUZCO – DIA

Pegamos uma van de Ollantaytambo até Cuzco e desembarcamos próximo da Plaza de Armas, por volta das 9h20.

Assim que desembarcamos, fui até um taxista perguntar se ele nos levaria até Sacsayhuaman. Tínhamos um par de horas para conhecer o sítio (nosso vôo era às 12h30), mas isso só seria possível se conseguíssemos um veículo que nos levasse até lá e depois ao aeroporto. O problema seriam as malas, mas se fechássemos um só táxi para fazer todo esse percurso, poderíamos deixar as malas no táxi durante a visita. 

Falei com o primeiro taxista e deu certo. Ele me pediu surpreendentes S/. 30,00, quase nada, convenhamos, já que utilizaríamos os serviços por cerca de 2 horas. Coloquei as malas rapidamente no porta malas e fomos embora.
O Cleber achou suspeito e até tirou uma foto do registro do taxista. Ficou com receio do taxista levar nossa bagagem embora enquanto visitávamos Sacsayhuaman. Por via das dúvidas, só pagaríamos na partida, acho que o taxista preferiu o dinheiro ao invés de nossas malas velhas.

Sacsayhuaman – Como Chegar

O trajeto de Cuzco até Sacsayhuaman é curtinho, em cerca de 20 minutos chegamos lá. Você pode ir de táxi a partir de Cuzco. Mas o normal mesmo é conhecer através do city tour de Cuzco ou através de um passeio que visita alguns sítios como o Sacsayhuaman, Qenqo e Tambomachay. Nós, como somos anormais e não tivemos tempo de fazer os passeios, resolvemos fazer por conta própria pegando esse táxi a partir de Cuzco. 

Alpacas passeando em Sacsayhuaman – corre para tirar uma foto
Mais pedras, degraus, subidas e descidas nos aguardavam em Sacsayhuaman

Como já era de se esperar, e como tudo nessa viagem de 6 dias ao Peru, a visita seria curta, então pedimos ao taxista 30 minutos para conhecer o sítio. Super simpático e atencioso, o taxista nos deixou bem a vontade para explorar o sítio e nos deixou numa das entradas que ficava mais próxima.

Em uma das entradas (na primeira que alcançamos pela estrada), teríamos que andar muito mais para chegar nos pontos de interesse. O taxista dirigiu mais um pouco e estacionou o carro num amplo estacionamento, onde também estavam estacionados ônibus de turismo e outros carros.

A estrada que dá acesso a Sacsayhuaman é a mesma que segue em direção ao Vale Sagrado e Ollantaytambo.

EXT. SACSAYHUAMAN – DIA

Sacsayhuaman está a 3.700 metros de altitude, então é provável que se você chegou em Cuzco há pouco, ainda sofra com os males da altitude. Nós como já estávamos no final da nossa viagem e também com pressa para não perder o vôo, circulamos por ali com a urgência que a falta de tempo e o desejo de conhecer nos impunha.

As pedras gigantes de Sacsuyhuaman

O grande lance por ali é ver as pedras gigantes do lugar e conferir como elas se encontram perfeitamente encaixadas, sem a necessidade de rejunte. Você imagina o trabalho que os incas tiveram para polir as pedras, carregá-las e encaixá-las com tamanha precisão. Pedras inteiras e pesadíssimas. Mais de 20 mil incas teriam trabalhado na construção. 

Todo esse empenho tinha uma função. As muralhas de Sacsayhuaman visavam proteger o império inca de invasões, portanto era essencial que as muralhas fossem altas e compactas. Mas infelizmente o que conhecemos é apenas 20% do que sobrou dessa história. O sítio foi pilhado e o restante das pedras foi levado para Cuzco, para construir grande parte dos prédios que tínhamos visto por lá.

Mas há controvérias. O sítio também pode ter sido construído para fins religiosos, uma forma de culto ao Deus Sol.

Um dos portais de entrada encontrados no sítio

No local, existem vários guias oferecendo seus serviços, o que é útil para quem foi sem o auxílio de uma visita em grupo. Uma pena que não tivemos tempo para fazer a visita guiada, que foi muito legal em Machu Picchu.

Depois de conferir as pedras gigantes bem de perto, subimos uma escadaria de pedras (mais uma vez, lugar comum nos sítios arqueológicos do Peru) e encontramos um belo mirante de todo o sítio, um ótimo ponto de vista para conferir a grandiosidade do sítio. Há grandes espaços vazios, que podem indicar os pontos onde havia pedras, mas que posteriormente foram pilhados.

Escadaria de pedras para alcançar um ponto mais alto do sítio, haja fôlego
Vista panorâmica de Sacsayhuaman, muitas pedras e caminhos para explorar

Depois de conferir o visual lá de cima, caminhamos por dentro dos caminhos de pedra para encontrar o mirante de Cuzco, um belo ponto onde é possível visualizar a cidade, as montanhas que a rodeiam (veja escrito nas montanhas Viva El Peru) e principalmente a Plaza de Armas, lugar que adoramos conferir tanto de baixo, como lá de cima.

Um pouco depois que chegamos, um grupo de estudantes chegou e foi incrível ver como as próprias crianças peruanas também se fascinaram com a paisagem.

Visual de Cuzco a partir de Sacsayhuaman, com a Plaza de Armas na parte inferior
Crianças peruanas em excursão também ficam fascinadas com a vista panorâmica de Cuzco

Essa foi nossa visita de 30 ou 40 minutos em Sacsayhuaman, obviamente não foi uma visita exaustiva em dos sentidos da palavra (não conseguimos ver tudo), mas foi no outro (ficamos bem cansados).

Voltamos para o táxi, que felizmente ainda estava nos esperando e nos levou até o aeroporto de Cuzco. No final, o taxista acabou aumentando o preço para S/. 40,00, que não importei de pagar, afinal no final das contas tinha dado tudo certo e conseguimos encerrar nossa viagem ao Peru com mais um sítio arqueológico fantástico.

Para quem quer conferir um pouco mais dos outros sítios arqueológicos da região, vale a pena visitar esses excelentes blogs, que fizeram o passeio completo e contam mais detalhes.

Andarilhos do Mundo: Sacsayhuaman – City Tour em Cusco – Parte 2
Sundaycooks: Valle Sagrado: Sacsayhuamán, Qenqo, Tambomachay e Pisac
Turomaquia: Como é o City-tour em Cusco: da Catedral ao incrível Saqsaywaman

Fonte:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Sacsayhuaman

Cleber em sua pressa costumeira para visitar o sítio

© 2013 Fabio Pastorello. Todos os direitos reservados. A reprodução de textos e/ou imagens não é permitida sem prévia autorização do autor.


Cuzco: Entre o city-tour e as próprias pernas

Veja como foi nossa experiência em Cuzco, como fizemos para não sofrer com o mal da altitude e também o que fazer em Cuzco. Mais uma vez, o tempo foi curto, veja o que conseguimos fazer. 

Índice de Posts: Peru/Machu Picchu
Guia Prático e Rápido para sua viagem a Machu Picchu
Quando Ir, Como Chegar, Porque Conhecer, Onde Ficar
 
share on:
Fabio Pastorello

Fabio Pastorello

Editor do Viagens Cine, fotógrafo e videomaker. Curte cinema e leva a vida e as viagens com toques de romance, drama e aventura. Formado em Letras, ex-bancário e muito mais feliz como blogueiro de viagens.

2 comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.