Fotografia: Passo a Passo para Escolher uma Máquina Fotográfica

Essa é uma colocação que aparece frequentemente nos comentários do blog ou nas mídias sociais: “nossa, suas fotos são muito legais, qual máquina você usa?”. Uma vez eu escutei que a pergunta é parecida a se você perguntar para a pessoa que preparou um jantar delicioso: “nossa, o jantar estava ótimo, qual a marca do seu fogão?”.

Enfim, é lógico que o equipamento é importante, mas pessoas são muito mais importantes que máquinas, e a fotografia é uma arte, portanto depende muito mais do ser humano do que de uma máquina. Ou seja, VOCÊ, o ser humano atrás da máquina, é o mais importante para conseguir bons resultados. 

Mas obviamente, em tempos de iPhones e GoPros, o equipamento se tornou importante, mas tão importante quanto saber operá-lo. Mas como não sou a melhor pessoa para dar dicas de fotografia (porque eu tenho mais para aprender do que para ensinar), o que posso compartilhar nesse post é um passo a passo de como escolher uma máquina e quais os equipamentos eu possuo. E assim responder a freqüente questão que aparece na nossa caixa de mensagens. 

Fotografia: Passo a passo para escolher uma câmera fotográfica

E quais os equipamentos fotográficos eu possuo

de 

São tantas opções, que é preciso ter em mente exatamente o que você precisa do equipamento fotográfico

Escolher um bom equipamento é um passo importante para quem quer tirar boas fotografias. O equipamento tem que caber nas suas necessidades, tem que ser adequado ao que você precisa. Isso significa que não necessariamente o que é adequado para uma pessoa, será ideal para outra.

Já ouviu aquele ditado: matar uma formiga com uma bala de canhão. Talvez uma máquina muito poderosa não seja o que você precisa, ou talvez aquela máquina de bolso já não atenda suas necessidades.

Veja bem, não sou um expert em equipamentos fotográficos, meu objetivo aqui é apenas compartilhar os equipamentos que possuo e dar algumas dicas de como eu escolhi minhas máquinas.

1 – Identifique suas necessidades (e possibilidades)

Na hora de comprar a minhas máquinas, eu identifiquei algumas coisas que eu pretendia: lente grande ocular, filmagem em Full HD, quantidade de megapixels, zoom, boas avaliações, praticidade e finalmente o bom preço. Ou seja, defini o limite do meu orçamento e a partir daí comecei a procurar a melhor máquina dentro de minhas possibilidades.

Fiz esse registro com uma câmera semiprofissional, a Canon SX130,
que não é a minha câmera atual, mas é uma máquina mais simples que ainda assim me garantiu bons resultados

Em relação à praticidade, já procurei uma lente que eu não precisasse ficar trocando. A lente foi uma 18-55mm, que aliás é uma lente padrão para o modelo da máquina. Tenho ciência de que não andar com lentes diferentes é uma grande limitação para que minhas fotos sejam melhores, mas durante as viagens eu simplesmente não tenho paciência de ficar trocando lentes conforme a necessidade do momento. Isso sem contar o peso de carregá-las.

2 – Procure uma loja que tenha bons preços e boa diversidade de modelos

Como é uma imensa quantidade de câmeras no mercado, vale a pena consultar alguma loja onde você pretende comprar e ver quais são as câmeras disponíveis. A partir daí, já é um bom filtro para começar sua pesquisa.

Em algumas lojas no Brasil, a oferta é realmente pequena, então sua pesquisa já será bem restritiva. Se você vai comprar sua câmera no exterior, em lojas como a B&H (uma das lojas mais prestigiadas pelos fotógrafos, fica em Nova York) o negócio já complica, pois a oferta é imensa.

O site da B&H tem uma ótima ferramenta de pesquisa que pode te auxiliar na busca. Mesmo que você não vá comprar a máquina na loja ou sequer tenha viagem planejada para o exterior, pode aproveitar a ferramenta para te ajudar na escolha. 


Lá você pode selecionar a categoria de câmeras que você deseja: point and shoot câmeras (aperte e fotografe, as mais simples), DSLR cameras (veja nesse link o que são as máquinas DSLR), etc. Em geral, as vantagens da DSLR em relação às point and shoot são que você pode olhar no visor ótico para tirar as fotos, a velocidade de disparo é maior e há maior opções de controles manuais (foco, abertura de campo, velocidade). A qualidade da imagem também é melhor (e isso não quer dizer mais megapixels, que é apenas o tamanho da imagem).

Em certos casos, porém, a diferença entre uma fotografia de uma câmera compacta e uma câmera profissional podem ser mínimas. Por isso, nem sempre o equipamento é o grande responsável pela qualidade das fotografias. 

Nas fotos abaixo, você consegue identificar uma diferença de qualidade significativa entre as imagens? Essa diferença é importante para você? Se sim, talvez seja a hora de mudar de equipamento, pois suas demandas estão ficando maiores. Se não, vale a pena escolher a máquina mais simples e que se enquadre em seu orçamento.

  

Vamos supor que você escolha uma DSLR, que foi a minha escolha.

Feita essa escolha, o site da B&H apresenta uma série de configurações. Por exemplo: HD 1080p ou HD 720p (Full HD ou simplesmente HD), tipo de memory card, marca, etc. Selecionando as configurações que mais interessam a você, você filtra a quantidade de modelos existentes.
Depois disso, você ainda pode selecionar alguns modelos e fazer uma comparação.

Exemplo de comparação disponível no site da B&H

3 – Faça pesquisa de resenhas e reclamações na internet

Alguns sites apresentam resenhas das máquinas como o Digital Photography Review, o Câmera Versus Camera e o Info Abril. Esses sites trazem análises profundas do equipamento ou resumos apresentando prós, contras, comparações com câmeras parecidas ou até mesmo notas para cada câmera. Ideal para uma consulta rápida ou mais detalhada, conforme sua necessidade.

Outra forma de avaliar se a máquina encontra sua necessidade é procurar avaliações de outros usuários. Nos sites das lojas que vendem máquinas ou em sites consolidadores de preços, você sempre encontra um setor de comentários dos compradores. Leia os comentários, nem sempre dá para confiar no que o povo escreve, mas pode servir para acrescentar informações a sua compra.

Ainda ficou na dúvida. Visite uma loja física que possua a câmera, segure a câmera, sinta a pegada, veja como ela se adapta a você. Pense que você vai passar muito tempo com ela, é como um relacionamento, não se casa com alguém sem antes conhecer o cônjuge pessoalmente. E a escolha de uma câmera é como um casamento de longa duração. 

4 – Pesquise o preço

Finalmente, nesses mesmos sites consolidadores de preço, você efetua a pesquisa de preços e verifica qual empresa oferece o melhor preço.

Mas consulte também a reputação da empresa. Se a diferença de preço for pequena, prefira lojas mais conhecidas ou com melhor reputação. Se a diferença for grande, procure visitar a loja física ou, novamente, pesquise comentários e reclamações de outros clientes.

5 – Quais câmeras eu comprei

Minha câmera DSLR é a Nikon D5100. As especificações você encontra no site da Nikon. Existe uma eterna dúvida entre os fotógrafos sobre qual marca é melhor: Canon ou Nikon. Para isso, adorei essa charge, que ilustra bem qual a melhor resposta.

Canon x Nikon, qual é melhor?

O que posso dizer é que ela atende minhas necessidades, gosto do resultado das fotos e não penso no momento em trocá-la. Mas sinceramente, como foi minha primeira DSLR, não tenho muito parâmetro de comparação. Posso estar satisfeito porque não conheço coisa melhor.

A DSLR é ideal para fotografias com aquele efeito de desfoque (profundidade de campo mais rasas), para fotografar no modo manual (onde você tem maior controle sobre o resultado das fotografias) e gosto bastante da qualidade das imagens mesmo para ambientes com pouca iluminação.

O ISO da 5100 vai até 25.600, embora eu nunca tenha usado esse ISO por causa da perda da qualidade de imagem.

Para as filmagens, o negócio complica. Filmar com a DSLR exige que o fotógrafo se movimente menos, é muito mais difícil filmar sem tremer a imagem. O uso do tripé ou de um estabilizador de imagens (alguns softwares de edição de vídeos possuem estabilizadores ou o próprio editor do YouTube também oferece essa opção, mas existe perda de qualidade) são aconselháveis. Por isso, às vezes filmar com uma câmera compacta pode resultar em melhores resultados do que com a DSLR, caso você não use um tripé.

Foto com menor profundidade de campo, o fundo ganha um desfoque e a imagem em primeiro plano
ganha ainda mais destaque

O nosso vídeo da Chapada dos Veadeiros foi quase todo filmado com a Nikon 5100 (exceto as imagens subaquáticas). Confira as imagens.

Para as restrições da DSLR, tenho também uma câmera compacta que me ajuda em algumas situações, como maior zoom (o zoom ótico da lente 18-55mm é de 3x apenas), filmagens com maior mobilidade ou uma câmera mais discreta. Isso porque a DSLR é maior, e chama mais a atenção do que uma câmera compacta. Num lugar em que você não se sente seguro para tirar uma câmera da bolsa, por exemplo, a compacta funciona melhor.

Para a câmera compacta, minha escolha foi a Canon Powershot SX260HS. Veja as especificações no site da Canon. A lente grande ocular, o zoom de 20x e a produção de filmes em Full HD foram alguns dos recursos que busquei nessa compra, além claro do tamanho da câmera. Eu queria uma câmera que coubesse no bolso.

Ela é ótima para situações em que ficar andando com uma câmera mais pesada é mais difícil, como trilhas, ou até mesmo para aquele evento cotidiano que você quer levar uma câmera que caiba no bolso.

Como muita gente hoje em dia já se satisfaz com as fotos tiradas no celular, ter uma câmera de bolso pode ser um artigo desnecessário.

Na comparação de fotos da cachoeira do Cânion Itaimbezinho que você viu acima, a primeira foto foi tirada com a Canon SX260HS.

6 – Câmeras subaquáticas (à prova d’água)

Para registrar fotos e vídeos abaixo d’água, a câmera do momento no mercado é a GoPro Hero3 Black Edition. Veja as especificações no site da GoPro.

Compramos a GoPro, mas novamente gostamos com restrições. A principal delas é a falta de um visor, ou seja, você faz os registros às cegas, sem saber se está enquadrando certo ou não. 

Como o campo de registro da lente é bem amplo, esse problema não é tão grave, mas ainda me incomoda.

A solução é utilizar um app no celular que via wi-fi permite que você visualize a foto. Mas é uma solução que demanda um pouco da trabalho na hora de tirar a foto (ligar o wi-fi da câmera, abrir o aplicativo no celular, esperar a conexão entre câmera e celular e visualizar o resultado), mais do que apertar simplesmente olhar num visor e apertar um botão como seria o desejado.

NOVO: A partir de 4 de outubro, a GoPro está com um novo modelo, a Hero4 e agora, NOVIDADE, agora a câmera tem visor. Vamos ver como será? Depois da polêmica do novo aparelho celular que entorta, é sempre bom aguardar um pouco antes de comprar novos modelos, para ver se não haverá nenhuma surpresa. 

Vale um adendo: na hora de comprar a GoPro, é essencial comprar também um bastão ou monopod (uma espécie de tripé). Como a câmera é muito pequena, você não tem lugar para segurá-la e seu dedo pode aparecer nas fotos. A utilização de um bastão para segurá-la é essencial. 

Outros problemas que podem incomodar são a falta de zoom, o controle da câmera (são poucos botões e sinceramente, até hoje eu me atrapalho um pouco quando preciso fazer alguma alteração de configuração na câmera) e a duração da bateria (se você ligar o wi-fi esse tempo reduz significativamente).

Mas os resultados da GoPro realmente impressionam. Hoje em dia tirar uma selfie com uma GoPro virou moda, existem milhares de fãs por aí e o povo curte muito os registros dessa câmera.

Para se ter uma ideia dos resultados, vale a pena conferir o canal do YouTube da GoPro. Os vídeos são sensacionais. As possibilidades são realmente bem amplas.

Recentemente fomos para Bonito e ficamos encantados com os registros, tanto em fotografia como em vídeo. Dá uma olhada nos nossos posts de Bonito e no nosso vídeo teaser da viagem.

Fotografia subaquática em Bonito, através da GoPro Hero3 Black Edition

Mas alguns de nossos vídeos mais acessados no YouTube não foram realizados com a GoPro. Antes dela, usamos bastante uma pequena câmera à prova d’água, a Kodak Playsport ZX5. No link está o manual da câmera e suas especificações.

A Kodak Playsport ZX5 é uma câmera bem simples, mas através dela tivemos bons resultados em várias filmagens. Para as fotos, os resultados são bem inferiores. 

Um dos maiores problemas da Playsport é que tem algumas portas na lateral para entrada do memory card e conexões que precisam ficar fechadas e travadas na água. Se você entrar no mar, essas portas tendem a travar e não abrir de jeito nenhum (a solução que encontramos para abrir é passar sabonete).

Mas o formato dela lembra um celular e acho bastante prática para fazer as filmagens na água, embora o resultado realmente seja inferior aos da GoPro. O investimento, porém, também será menor.

Fotografia tirada através da Kodak Playsport ZX5 em Cancun

6 – Câmeras fotográficas utilizadas em cada viagem

Segue uma relação dos equipamentos utilizados em algumas das nossas viagens:

Brasil
Arraial do Cabo: fotos e vídeo Canon SX130, imagens subaquáticas Kodak ZX5
Bonito: fotos e vídeos Nikon D5100, imagens subaquáticas Kodak ZX5 e GoPro
– Ceará (inclusive Jericoacoara): fotos e vídeos Nikon D5100 e Canon SX260HS
Chapada dos Veadeiros: fotos e vídeo Nikon D5100, imagens subaquáticas Kodak ZX5
Estrada Real: fotos e vídeos Nikon D5100, Canon SX260HS e GoPro
Fernando de Noronha: fotos Canon SX130 e vídeo câmera alugada em Noronha
Jalapão: fotos e vídeos Nikon D5100, Canon SX260HS e GoPro
Lençóis Maranhenses: fotos e vídeos Canon SX130
Maragogi, Porto de Galinhas e Japaratinga: fotos e vídeo Canon SX130
Praia do Espelho: fotos e vídeo Nikon D5100
Porto Seguro (Trancoso e Arraial d’Ajuda): fotos Nikon D5100

América
Buenos Aires: fotos e vídeo Nikon D5100
Cancun: fotos e vídeos Nikon D5100, imagens subaquáticas Kodak ZX5
Peru e Machu Picchu: fotos e vídeo Nikon D5100

Enfim, para aqueles que ficaram curiosos, essas são as câmeras que eu utilizo. Os resultados são diferentes conforme o equipamento, mas novamente reitero que o mais importante é você, a pessoa que está atrás do equipamento. Pratique com a sua câmera, tire várias fotos, pense antes de tirar a foto. Aos poucos você irá aperfeiçoar os seus registros e melhorar cada vez mais.

Pelo menos essa é a lição que eu tenho aprendido e aplicado. Fotografar sempre, e a cada viagem, eu aprendo uma coisa nova: testo uma forma nova de fotografar, busco novos ângulos e enquadramos para sair da zona de conforto, e tenho uma única certeza: tudo o que sei é que nada sei. 

Confira ainda nesse link as fotografias incríveis que podem ser tiradas mesmo com um aparelho celular.


© 2014 Fabio Pastorello. Todos os direitos reservados. A reprodução de textos e/ou imagens não é permitida sem prévia autorização do autor.


Siga a gente nas redes sociais
Facebook YouTube Google+ Twitter Instagram
Assine nosso blog: clique AQUI e assine gratuitamente nosso blog, assim você recebe todas as nossas atualizações. Você irá receber um e-mail, não se esqueça de clicar no link de confirmação.
share on:
Fabio Pastorello

Fabio Pastorello

Editor do Viagens Cine, fotógrafo e videomaker. Curte cinema e leva a vida e as viagens com toques de romance, drama e aventura. Formado em Letras, ex-bancário e muito mais feliz como blogueiro de viagens.

7 comentários

  1. Eu confesso que também tenho uma quedinha pela Canon, na próxima quero ver se compro uma da Canon. Mas por enquanto vou curtindo a Nikon que também quebra um galho. rs. Abraços.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.