O que fazer no Centro do Rio de Janeiro: 5 Lugares Imperdíveis

O que fazer no centro do Rio de Janeiro? Pois é, a cidade maravilhosa não é só praia e também reserva muita história para contar. E visitar o Rio de Janeiro é uma fonte inesgotável de coisas para fazer. Já fui várias vezes e minha wishlist aumenta, nunca diminui.

Cada vez que eu vou, algum amigo ou morador me indica uma coisa nova, e a lista fica cada vez maior. Mas é lógico, diante desse cenário, priorizar é preciso. Ou seja, tive que identificar aqueles pontos essenciais que não podem faltar em uma visita ao Rio de Janeiro.

Nesse post, irei identificar quais são os 5 lugares que considero necessários conhecer no centro do Rio de Janeiro.

Provavelmente, excluo aqui algum lugar que você pode considerar imperdível, então não deixe de comentar no final do post.

Um desses lugares foi escolhido como locação para o primeiro segmento do filme “Rio Eu Te Amo”, da mesma franquia “Cities of Love” (“Paris, Te Amo” e “Nova York, Eu Te Amo”). A produção traz 11 diretores internacionais para filmar histórias no Rio de Janeiro.

O que fazer no Centro do Rio de Janeiro

Confira esse roteiro de 5 lugares imperdíveis para visitar no Centro do Rio de Janeiro

 
Interior do Theatro Municipal, uma visita guiada é um dos programas imperdíveis pelo centro

Durante minha última visita ao Rio, aproveitamos para fazer um Walking Tour pelo centro, uma visita guiada que passa pelos principais pontos históricos e culturais do centro. A visita foi ótima e já contei em maiores detalhes em post específico.

No entanto, existem alguns lugares que merecem uma visita mais demorada. Outros ainda que não fizeram parte do tour. Por isso, nesse post irei destacar o que fazer no centro do Rio de Janeiro e quais são os 5 lugares imperdíveis durante uma visita ao Rio. Vamos a eles.

Se você quer uma lista de pontos turísticos mais abrangente, confira também:

Os 10 Melhores Pontos Turísticos no Rio de Janeiro

1 – Confeitaria Colombo

  • Nosso roteiro sobre o que fazer no centro do Rio de Janeiro começa pela Confeitaria Colombo, com um café da manhã.
  • Chegamos por volta das 9h30 e o lugar estava cheio. Mesmo assim, conseguimos uma mesa.
  • Dar uma passadinha pela Confeitaria e não sentar em suas mesas, pelo menos para um café, é como ir até o Café Tortoni em Buenos Aires e não sentar para um café com churros.
  • E por falar em cafeterias famosas, a Colombo foi considerada o 7o. café mais bonito do mundo, pelo U City Guides. Na frente do Tortoni, aliás.
Confeitaria Colombo
Confeitaria Colombo, lugar cheio de história no centro do Rio de Janeiro

História

A Colombo existe desde 1824 e é um símbolo máximo do que foi a Belle Epóque no Rio de Janeiro (que se caracteriza pela influência européia) e faz parte do Patrimônio Histórico e Artístico do Rio de Janeiro. Já foi frequentada por várias personalidades mundiais, como a Rainha Elizabeth (1968) e o Rei Alberto da Bélgica (1920).

Da nossa história, Chiquinha Gonzaga, Villa-Lobos, Lima Barreto e Olavo Bilac são algumas das personalidades que passaram por aqui.

DE OLHO ABERTO: Fique atento aos espelhos de cristal belga, as molduras entalhadas a mão, as luminárias e o teto de clarabóia com belíssimos vitrais. Tudo é preservado para manter o mesmo espírito de outros tempos. Assim a experiência de entrar em lugar histórico é preservada. 

Portanto, mais do que curtir sua beleza e arquitetura, a atmosfera de estar em lugar que já foi frequentado por tantas pessoas, e tantas épocas diferentes, e que ainda hoje continua como um ponto de encontro da cidade do Rio, é o grande lance de estar por ali.

Cinema

O lugar é cinematográfico. A Rio Film Commission tem um vídeo que promove o destino para locações de cinema. A Rio Film Commission tem a missão de atrair e prover suporte para a produção de audiovisuais para a cidade e para o Estado do Rio de Janeiro. Bem legal a iniciativa.

Mas uma das cenas mais emblemáticas filmadas por lá pertence a uma novela: o reencontro dos personagens de Paulo Gracinco e Yara Cortez na novela “O Casarão” e o famoso diálogo: “- Te fiz esperar muito? – Só 40 anos”. Lindíssima a cena, confira

Ficha Técnica

Local: Confeitaria Colombo
Como Chegar: A partir do Metrô Carioca, são cerca de 5 ou 10 minutos até o local (vide mapa)
Quando ir: O lugar é ideal para um café da manhã ou para o final de tarde.
O que fazer: Sente em uma das mesas de jacarandá, peça um café e uma das delícias dispostas na vitrine de doces e salgados. Difícil indicar uma, mas como a Confeitaria Colombo tem origem portuguesa, aposte nos doces com essa inspiração, como os pastéis de Belém, novidade que pode vir recheada de caipirinha. É possível também visitar o Espaço Memória, com objetos antigos da história da Colombo.
Quanto tempo: pelo menos 1 hora
Quanto custa: Em média os salgados e doces custam R$ 7,00 cada

Exibir mapa ampliado

2 – Real Gabinete Português de Leitura

  • Esse é um dos lugares que eu acho mais bonito no centro do Rio de Janeiro.
  • Sou suspeito, tenho uma ligação muito especial com bibliotecas. Desde criança, quase sempre solitário, costumava me refugiar na biblioteca da escola, um lugar de paz e onde eu podia curtir um pouco de paz longe do barulho das crianças brincando no recreio.
  • O prédio é belíssimo. Fique atento à estrutura metálica, pioneira na arquitetura no Rio, às colunas, ao candelabro azul e ao belíssimo vitral.
  • É permitido tirar fotos no interior da biblioteca, mas mantenha o máximo de silêncio possível. As pessoas de fato estudam ali e utilizar o local para leitura.
Real Gabinete Português de Leitura
O espetacular Real Gabinete Português de Leitura

História

Mas mesmo para quem não nutre nenhuma relação especial com bibliotecas, o Real Gabinete é um lugar incrível. A arquitetura do local tem inspiração neo-manuelita (mesmo estilo da igreja dos Jerônimos, em Portugal), escola que se caracteriza pela exuberância plástica e por motivos marítimos.

O Real Gabinete foi fundado em 14 de maio de 1837 por um grupo de portugueses residentes no Brasil que buscavam promover a cultura entre os lusitanos. Já em 1880 contava com 50 mil exemplares e era considerada a biblioteca mais importante do Brasil. O acervo não parava de crescer e, depois de sucessivas mudanças, os portugueses adquiriram o prédio de sua sede definitiva.

A estrutura metálica de seu interior foi pioneira na arquitetura do Rio, mas o projeto levou oito anos para ser finalizado, e o Gabinete foi finalmente inaugurado em 22 de dezembro de 1888. Em 1900 tornou-se uma biblioteca pública, permanecendo assim até hoje.

O candelabro, os detalhes em azul no topo e as colunas são destaque no Real Gabinete

Por ser uma biblioteca pública, é possível para qualquer um entrar nas suas dependências, no entanto as bibliotecárias são bastante rigorosas quando ao manuseio de livros, já que muitos deles são antigos e/ou raros (uma das versões originais de Os Lusíadas, de Camões, encontra-se lá). 

Hoje o acervo já soma 400 mil obras, já que para todo título lançado em Portugal, uma cópia é enviada para o Gabinete. Além da estrutura metálica, também impressionam a enorme clarabóia, o belíssimo candelabro, e a disposição vertical dos livros, que torna o lugar ainda mais imponente. É impossível entrar e não soltar um suspiro.

Cinema

Como não poderia deixar de ser, o lugar já foi locação de séries de televisão como “Os Maias” e “O Primo Basílio” e de filmes como “O Xangô de Baker Street”. O filme inspirado no romance de Jô Soares mistura realidade e ficção e mostra Sherlock Holmes (o ator português Joaquim de Almeida) na caça de um serial killer atuando no Rio de Janeiro no final do século XIX. As filmagens levaram 12 semanas, em locações do Rio de Janeiro e na cidade do Porto, em Portugal. 

Em uma das cenas, Holmes persegue o assassino até o interior de uma biblioteca (o Real Gabinete é usado como locação), numa cena de perseguição que termina em um banheiro, onde o detetive se alivia depois de experimentar a culinária brasileira.

O filme aliás faz um panorama do Rio daquele período, contando com “personagens” como Chiquinha Gonzaga e Olavo Bilac frequentando cafés e eventos culturais da época.

Ficha Técnica

Local: Real Gabinete Português de Leitura
Como Chegar: A biblioteca encontra-se próxima à Praça Tiradentes (vide mapa)
Quando ir: De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h
O que fazer: Circular pelos corredores e observar a estrutura metálica, o candelabro e a clarabóia, bem como os livros nas estantes (só observar)
Quanto tempo: 30 minutos
Quanto custa: A biblioteca é pública

Exibir mapa ampliado

3 – Igreja de São Francisco da Penitência

  • Dessa última vez que fomos ao Rio, não tivemos tempo de visitar a Igreja de São Francisco da Penitência, mas estivemos lá em 2010 e sem sombra de dúvida, essa é uma das igrejas mais lindas do Brasil.
  • Posso afirmar que está entre as mais lindas que eu já conheci. Quando visitei o lugar com minha mãe, ela começou a chorar assim que entramos. É desses lugares que emocionam mesmo (isso é a arquitetura barroca)
  • O espetáculo é garantido pela presença da arquitetura barroca e por ser toda revestida de folhas de ouro.
Igreja de São Francisco da Penitência
Impossível não se impressionar com a beleza artística da Igreja de São Francisco da Penitência

História

A igreja está integrada ao Convento de Santo Antônio, localizado no Largo do Carioca.

Para acessá-la, é preciso entrar em um túnel e pegar um elevador. A igreja fica no alto do Largo. A fachada, no entanto, não impressiona e não dá a ideia do que você irá encontrar lá dentro.

A importância da igreja não se refere apenas a sua beleza, mas ao seu pionerismo. Construída a partir de 1657, conta com o trabalho de três importantes artistas portugueses da época: o entalhador Manuel de Brito, o mestre-escultor Francisco Xavier de Brito (inspiração para o trabalho de Aleijadinho) e o pintor Caetano da Costa Coelho (o teto é pintado em perspectiva e dizem que conforme você anda, sente a ilusão de que os anjos estão se aproximando das cadeiras da igreja).

Ficha Técnica

Local: Igreja São Francisco da Penitência – Convento Santo Antônio
Como Chegar: Procure um túnel bem em frente ao relógio do Largo do Carioca (vide mapa)
Quando ir: De segunda a sexta-feira, das 8h às 18h e sábado até às 12h.
O que fazer: Fique atento aos detalhes barrocos, às pinturas no teto e às imagens de Cristo e São Francisco de Assis no altar
Quanto tempo: 30 minutos
Quanto custa: Grátis

4 – Museu Nacional de Belas Artes

  • Antes de entrar na próxima atração do roteiro de o que fazer no centro do Rio de Janeiro, dê um pulo no Theatro Municipal e adquira seu ingresso para a próxima visita guiada. Como a visita é concorrida, provavelmente você só conseguirá lugar para daqui a algumas horas.
  • Nesse interim, uma boa é visitar o Museu Nacional de Belas Artes, que fica bem em frente ao Municipal.
  • O Museu conta com obras emblemáticas de Victor Meirelles e Cândido Portinari.
  • Não deixe de conferir a bela galeria de estátuas, próximo do café do museu.

Novamente, esse foi um passeio que não fizemos em 2013, mas somente em 2010.

História

O museu é um dos mais importantes museus do Brasil, então não é somente um passeio para preencher o tempo. Aberto em 1938, sua origem remonta da época da vinda de D. João VI ao Brasil, quando o rei veio ao Brasil e trouxe junto algumas obras de arte. Mesmo quando da sua partida, as obras permaneceram no país e o acervo foi crescendo aos poucos e hoje conta com mais de 60 mil itens.

Entre os quadros emblemáticos, estão “Primeira Missa no Brasil” (Victor Meireles, 1861) e “Café” (Candido Portinari, 1935), além de outros artistas como Alfredo Volpi, Regina Katz e Pedro Américo.

Primeira Missa do Brasil

Há um gostoso café que fica em frente a uma belíssima galeria de estátuas, réplicas de esculturas famosas. As obras são da Academia Imperial e da Escola Nacional, outras feitas sob encomenda e também produções com fins didáticos, seja de professores ou alunos, todas moldagens em gesso de esculturas originais greco-romanas e renascentistas. 

O ambiente é super gostoso e também ótimo para fotos e o cenário mais emblemático do museu.

Museu Nacional de Belas Artes
Réplicas de esculturas famosas no Museu Nacional de Belas Artes

Cinema

Uma curiosidade é que o filme “O Xangô de Baker Street” usou 10 quadros originais do Museu de Belas Artes para o cenário da casa do imperador D. Pedro II (Claudio Marzo). Para tanto a produção realizou um seguro de cobertura internacional para cobertura dos itens cedidos, pela primeira vez em uma produção nacional.

Ficha Técnica

Local: Museu Nacional de Belas Artes
Como Chegar: Na Avenida Rio Branco, próximo da Cinelândia (vide mapa)
Quando ir: De terça a sexta-feira, das 10h às 18h e sábados, domingos e feriados das 12h às 17h.
O que fazer: Acompanhar a coleção de arte brasileira do século XIX, os quadros famosos de Victor Meireles e Pedro Américo, bem como obras de arte contemporâneas, além da galeria de esculturas
Quanto tempo: 2 a 3 horas
Quanto custa: R$ 8,00

5 – Theatro Municipal

  • Apesar da linda fachada inspirada na Ópera de Paris, o recentemente restaurado Theatro Municipal com certeza merece uma visita interna.
  • Para isso, é preciso se programar, já que esse é um dos programas mais concorridos do centro do Rio. Os ingressos somente são distribuídos no dia da visita, são 50 pessoas por horário (3 ou 4 horários diários), por isso se puder vá logo cedo garantir o seu.
  • O acesso à bilheteria é pela lateral esquerda, a partir das 10h.
Fachada do Theatro Municipal, inspirada na Ópera de Paris

História

O Theatro Municipal foi inaugurado em 1909, na Praça Floriano (hoje conhecida como Cinelândia). O projeto do teatro foi desenvolvido pelo dramaturgo Arthur Azevedo, mas infelizmente ele morreu 8 meses antes do teatro ser inaugurado. Uma das peculiaridades do Municipal do Rio é que ele é a única instituição cultural que mantém um coro, uma orquestra sinfônica e uma companhia de ballet.

O teatro passou por diversos processos de restauração. Até 1970, o local era cenário de bailes de carnaval, mas a partir da restauração de 1979 perdeu essa função. Em 2008, o mais recente processo, coordenado por Carla Camurati, durou 2 anos e em 2010 o teatro foi reaberto. 

A águia de 350 kg na parte superior do teatro foi totalmente restaurada e recebeu 8 mil folhas de ouro. As poltronas da platéia, anteriormente de couro sintético, foram substituídas por veludo, que são mais silenciosas. No início da sua visita ao Municipal, é mostrado um vídeo que resume um pouco do que foi o trabalho de restauração.

Visita Guiada

Apesar da beleza interna do teatro, a visita guiada não é das melhores. Os guias dão breves informações, uma das guias que nos acompanhou parecia recitar um texto decorado e sem emoção.

De qualquer forma, há tempo para explorar as partes internas e tirar fotografias, embora os intervalos sejam meio corridos. A visita dura menos que 1h, deveria durar mais.

Tirar uma foto nas escadarias do Municipal é um dos programas preferidos dos visitantes, no topo da escadaria uma estátua de Jean Antoine Injalbert representando “A Verdade”
Três vitrais, de origem alemão, foram criados por Fuerstein e Fugel em Stutgart e representam musas das artes

No interior da sala de espetáculos, o destaque fica para o grande lustre dourado, circundado por pintura de Elyseu Visconti denominada “As Oreadas”, que representam cenas de dança no decorrer do dia e da noite.

A visita começa e termina no Restaurante Assyrio, no subsolo do teatro, ambiente que impressiona pelas paredes de cerâmica, mas provoca um pouco de estranheza pela influência babilônica ou persa.

Cinema

Nossa visita ao Municipal praticamente coincidiu com a filmagem de um dos episódios do filme “Rio Eu Te Amo”, a ser lançado em 2014.  O projeto “Cities of Love” foi criado pelo diretor, roteirista e produtor francês Emmanuel Benbihy, do qual faz parte o excelente “Paris, Te Amo” (2006), filme em episódios que conta com o trabalho de diretores como Walter Salles, Alfonso Cuarón, Gus Van Sant e Alexander Payne.

Em “Rio Eu Te Amo”, o primeiro episódio foi filmado no Theatro Municipal. Dirigido por Carlos Saldanha (da animação “Rio”) e protagonizado por Rodrigo Santoro e Bruna Linzmayer, o casal vive uma história de amor que se passa nos palcos, bastidores e corredores desse teatro.

Ficha Técnica

Local: Theatro Municipal do Rio de Janeiro
Como Chegar: Na Praça Floriano, próximo da estação de metrô da Cinelândia (vide mapa)
Quando ir: De terça a sexta-feira, às 12h, 14h, 15h e 16h. Aos sábados e feriados, às 11h, 12h e 13h.
O que fazer: Como a visita é guiada, fique atento às explicações e procure ver todos os detalhes dos ambientes que puder
Quanto tempo: 1 hora
Quanto custa: R$ 10,00 (ingressos somente no dia da visita, mas chegue com antecedência)


Exibir mapa ampliado

 

Obviamente, essa lista de atrações pelo centro não é exaustiva, e existem inúmeras outras coisas para fazer por lá. E para você, qual o programa imperdível no centro do Rio de Janeiro?

© 2013 Fabio Pastorello. Todos os direitos reservados. A reprodução de textos e/ou imagens não é permitida sem prévia autorização do autor.

NOVO: Os 10 Melhores Pontos Turísticos do Rio de Janeiro

Leia também no Quero Viajar Mais: 10 Pontos Turísticos no Rio de Janeiro

Fontes: Confeitaria Colombo: Espaço Memória – Rio Eu Te Amo: A histórica Confeitaria Colombo – Real Gabinete Português de Leitura: Arquitetura – Rio Eu Te Amo: Real Gabinete Português de Leitura – Adoro Cinema: O Xangô de Baker Street – Convento Santo AntônioIgreja de São Francisco da Penitência – Guia 4 Rodas: Igreja de São Francisco da Penitência – Secretaria de Cultura do Rio de Janeiro: Museu Nacional de Belas Artes – Museus do Rio: Museu Nacional de Belas Artes – Theatro Municipal do Rio de Janeiro: Apresentação – Rio Eu Te Amo: O Theatro Municipal é o cenário do primeiro segmento de Rio Eu Te Amo


share on:
Fabio Pastorello

Fabio Pastorello

Editor do Viagens Cine, fotógrafo e videomaker. Curte cinema e leva a vida e as viagens com toques de romance, drama e aventura. Formado em Letras, ex-bancário e muito mais feliz como blogueiro de viagens.

19 comentários

  1. Suas dicas são ótimas, quero contribuir e indicar a praça 15 e ao lado assembleia legislativa, lindos lugares. A candelária também é lindíssima, vale a pena conferir, sem esquecer claro do museu naval.

  2. Oi,estava fazendo uma pesquisa no google sobre lugares para se conhecer no Rio,pois estou indo pra lá nas férias pela primeira vez,e eu gostei muito das suas dicas. Anotei todas,e pode ter certeza de que vou visitar todos os lugares dos quais você indicou com tanto carinho. Obrigada. 🙂

  3. Oi, Ligia. Também tenho muitos lugares a conhecer aqui em Sampa, mesmo morando por aqui. Mas espero que o post tenha te incentivado a "turistar" por aí. Abraços e obrigadão pela visita!

  4. Fran, muitíssimo obrigado. Pode ter certeza que você vai se emocionar nessa igreja. Mas o centro do Rio é muito encantador, ainda quero voltar e conferir mais lugares por lá. Dessa vez não deu tempo de ir no MAR, por exemplo. Abraços.

Deixe um comentário