Quanto Custa uma Viagem para a Europa

Quanto custa uma viagem para a Europa? Quanto dinheiro levar em espécie? Quais os preços de hotéis na Europa? Quais são as dicas para economizar numa viagem de turismo para a Europa?

Essa e outras são perguntas muito comuns para quem quer fazer viagens para a Europa e conhecer o velho continente, ou mesmo para quem quer retornar, que era o nosso caso em 2015.

Aliás, em tempos de câmbio elevado, foi meio loucura termos decidido viajar para a Europa nesse momento.

De qualquer forma, era um sonho e apertamos os cintos para poder realizar nosso sonho. Para isso, adotamos algumas táticas para controlar e reduzir as despesas durante a viagem. Sem elas, a viagem teria saído ainda mais cara.

Confiram a seguir quais foram todos os nossos gastos nessa viagem.

Quanto Custa uma Viagem para a Europa

Passagem Aérea, Hotel, Aluguel de Carro, Pedágios, Restaurantes, Supermercados e Passeios na Europa

Ref.: Junho de 2015
Quanto Custa uma Viagem para a Europa
Uma inesquecível viagem para a Europa pode sair caro, mas também há muitas opções para economizar

A essa altura do campeonato, você já sabe que viajar é uma questão de prioridade.

Tem gente que prefere trocar de carro, outros trocar de apartamento, outros comprar roupas caras. Nós concentramos nossas economias para as viagens. 

Mesmo assim, por mais que tenhamos nos organizado, essa foi uma das viagens mais caras que já fizemos.

Não porque tenhamos gastado muito durante a viagem, pelo contrário, apertamos os cintos mesmo. No entanto, em tempos em que € 1,00 era convertido a R$ 3,70, todos os nossos gastos eram multiplicados por 4.

Enfim, como de costume aqui no blog na nossa série Quanto Custa, identificamos os principais gastos da nossa viagem, para que você avalie quanto custa realizar o seu sonho.

Também iremos apresentar algumas dicas de como economizar em uma viagem para a Europa.

Quanto Custa Viajar para a Europa

1 – Despesas com Passagem Aérea

  • Quem acha que a passagem aérea é a despesa mais alta de uma viagem para a Europa, pode estar enganado. Nos nossos cálculos, a hospedagem foi o maior gasto. Quanto maior a duração da viagem, maior serão os gastos em hotéis em comparação com a passagem aérea.
  • Mesmo assim, viajar não anda barato. Algumas promoções até pipocaram no início do ano, mas sempre o problema da conversão dos preços acabou encarecendo as passagens.

Passagem Múltiplos Destinos

  • Como nosso roteiro envolvia começar a viagem em um lugar (Paris) e terminar em outro (Roma), compramos uma passagem com ida e volta em lugares diferentes. A princípio sai mais caro do que uma viagem ida e volta simples, mas pode representar uma economia se você imaginar os custos do deslocamento interno para o mesmo lugar da partida.

Se você tiver sorte, pode encontrar passagens aéreas para a Europa por cerca de US$ 600,00 a US$ 700,00 (sem taxas). Nós pagamos US$ 709,00 ida sem escalas para Paris + a volta com escalas a partir de Roma (sem taxas). As taxas saíram R$ 250,00. 

Companhias low-cost

  • Outra decisão foi a de comprar alguns trechos internos através de companhias aéreas low-cost, com a Easyjet. Uma passagem aérea pode sair mais barata do que uma passagem de trem, portanto é sempre bom pesquisar.
  • No entanto, vale também observar os custos indiretos, como o transporte até o aeroporto, por exemplo, e o pagamento de taxas extras para despachar bagagens, já que os vôos low-cost só permitem bagagem de mão. Despachar 1 bagagem pode custar cerca de € 15,00 adicionais.

2 – Despesas com Hotéis e Pousadas na Europa

Para economizar, é possível encontrar algumas barganhas em hotéis que não estejam nos lugares mais concorridos
  • A parte mais cara da nossa viagem foram os hotéis. E não pense que ficamos em hotéis caros e luxuosos, mas ainda assim alguns foram bem cinematográficos.

Pesquise no Booking

  • Para baratear a viagem, pesquisamos muito no Booking.com.
  • As alternativas com melhor custo benefício que encontramos foram em hotéis longe do centro das cidades. Deu até para achar hotel com vista para o mar na Costa Amalfitana. Como estávamos de carro, não precisamos buscar lugares próximos de transporte público.
  • Outra alternativa é buscar os Bed and Breakfast. Eles são hospedagem sem a estrutura completa de um hotel e com poucas acomodações: por exemplo em um dos lugares que ficamos, a recepção era dentro de uma pizzaria e os quartos ficavam em cima dela. Em outro, ficamos em um prédio residencial. Em geral a recepção não funciona 24 horas (por isso é preciso ficar atento aos horários de check-in) e você fica com as chaves da entrada dos prédios.

Nossa média de gastos foi de 76 euros por dia, em quarto duplo. A maioria dos hotéis que escolhemos pelo Booking.com tinha avaliação 8,0 ou superior. 

Hostels ou Airbnb

  • Para quem quiser economizar ainda mais, as opções são os hostels (já fiquei muito em albergues, mas hoje já não é mais a minha praia) ou os apartamentos residenciais que podem ser encontrados em sites como o Airbnb.
  • Aliás, ficar em um apartamento residencial é até uma ótima chance de poder lavar sua roupa na casa de um local, ter estrutura para cozinhar (e economizar com refeições) ou simplesmente tentar fazer novas amizades. É um modelo de hospedagem que pretendemos testar na próxima viagem.
  • Finalmente, para quem não quer gastar NADA mesmo, o couchsurfing é uma ótima opção. A Cris Marques do Dentro do Mochilão e o Rafael Leick do The Way Travel contam mais como é.

3 – Despesas com Alimentação

  • Comer fora na Europa pode encarecer ainda mais a sua viagem. Um prato custa em média de 15 a 20 euros, mas obviamente quando você vai almoçar ou jantar, acaba também pedindo bebida (na Europa é muito comum tomar vinho, que aliás pode ser mais barato do que o refrigerante), couvert ou sobremesa.
  • Pronto, provavelmente em 2 pessoas você vai gastar cerca de 50 euros ou mais.
Conta em restaurante na Provença, somente os pratos e as bebidas somaram € 46,00
  • Nessa viagem, optamos por fazer somente 1 refeição em restaurante por dia. Em alguns dias, nem isso. Para a outra refeição apelamos para fast foods, como os famigerados Subway e McDonald’s (adoramos os terminais self-service onde você faz o seu pedido sem tem que ficar arranhando uma língua estrangeira com os atendentes).

Alimentação na França: mercados, queijos e acompanhamentos

  • Na França, também frequentamos supermercados como o Monoprix ou o Carrefour, para comprar sanduíches naturais ou mesmo um arsenal para aquele jantar a base de queijos e vinhos no quarto do hotel. No supermercado, tem garrafa de vinho lá por 5 euros (quase o preço de uma taça no restaurante). Na Itália, usamos bastante a rede Coop.
  • Na Itália, comer ainda é mais caro do que na França. Primeiro eles cobram a tal da taxa “coperto”, que é uma taxa para você sentar numa mesa do restaurante. Cobrar um preço diferente para tomar sorvete ou café sentado numa mesa, eu até acho compreensível, mas existe alguma opção de jantar que não seja sentado na mesa? Então porque cobrar a mais?
  • Na França, pães e água são servidos sem custo adicional. Na Itália, a água é cobrada.
Exemplo de primo prato na Itália: as massas são mais baratas e você não precisa, necessariamente, pedir o secondo prato

Alimentação na Itália: primo e secondo prato

  • Ainda sobre a Itália, existe o antipasti, primo priatto, secondo priatto, contorni, insalata, dessert, etc. Eu achei que primo prato era a entrada, mas é uma massa, em geral com um preço mais barato (cerca de 10 euros) do que o segundo prato (carnes, cerca de 15 euros). É mais difícil comer proteína e carboidratos em um mesmo prato, ou seja, você precisa pedir o primo e o secondo prato para compor uma refeição completa para nós, brasileiros. Você pode conciliar somente o segundo prato com um contorni (acompanhamento, em geral uma salada). Um antipasti bem típico na Itália, você já deve imaginar, é a bruschetta, uma delícia.
  • Não é preciso deixar gorjeta, nem na França nem na Itália. De início estávamos deixando os 10% até que alguns amigos que residem lá falaram que não era necessário. Os garçons não esperam gorjeta. Só deixe se o serviço for extraordinário.

4 – Aluguel de Carro, Gasolina e Pedágios

  • Outra despesa puxada foi o aluguel de carro. O aluguel de um carro com câmbio automático sai bem mais caro, ao contrário do que imaginávamos (cerca de 300 euros por 7 dias de aluguel; na Itália foi mais caro, quase 400 euros).
  • De qualquer forma, conseguimos economizar um pouco no aluguel do carro pela Rentcars, que cobrou o preço pré-pago em real e sem IOF. Se tivéssemos optado por pagar em euro no local, teríamos gastado ainda mais por causa da oscilação do valor do euro/dólar. Fizemos também a pesquisa na Rentalcars e a diferença de preço era mais ou menos de R$ 500,00.

Pedágios e gasolina na Europa

  • Os pedágios e a gasolina não foram tão caros quanto eu imaginava.

  • Os pedágios funcionam assim: sempre quando você entra em um estrada, retira um ticket (só retira o ticket, não é preciso pagar no início). Percorre a estrada e quando pega uma saída da estrada, coloca o ticket novamente e o aparelho (ou o funcionário, depende do lugar ser automatizado ou não) calcula qual o valor devido em função do que você percorreu.
  • Tentamos pagar em cartão de crédito, mas nosso cartão não foi aceito nas máquinas. Então pagamos tudo em espécie. Não é preciso levar trocado, eles fornecem troco.
  • Se você quiser saber exatamente quanto se gasta em tempo, gasolina e pedágio para determinado trecho, consulte o ViaMichelin. O site também oferece opções de itinerário (dá para escolher também se você quer evitar pedágios, etc).

5 – Despesas com Transportes

  • Não usamos o carro 100% do tempo. Em alguns momentos, utilizamos os serviços de trem ou barcos para fazer locomoção na Europa.
  • Para quem viaja sozinho, o transporte público é a opção mais econômica. Mas em 2 ou mais pessoas, o carro é mais conveniente e até pode sair mais barato.
  • Confira no routeRANK a comparação dos preços nos trajetos de trem, carro ou avião e escolha a melhor alternativa. Lembre-se que para os valores informados para o carro, você deve dividir o valor pelo número de pessoas que estarão no carro. Quanto mais pessoas no carro, maior a economia.
Estação de trem na Cinque Terre, na Itália

6 – Despesas com Passeios e Pontos Turísticos

  • Outra parte sensível dos gastos está na entrada de museus, lugares turísticos, passeios de barco, entre outros. As entradas podem girar de 5 a 20 euros, dependendo da atração.

CityPASS

  • Em alguns lugares, existem os famosos city pass, como o Paris Museum Pass (€ 56,00 para 4 dias). Eles valem a pena se você pretende visitar vários lugares pagos. Em alguns casos, também incluem o transporte público, verifique.
  • Alguns meios de transporte acabam se confundindo com passeios. Você mata duas necessidades com uma tarifa só. Em Veneza, por exemplo, o Vaporetto é um transporte mas também funciona como passeio (€ 30,00  – 2 dias de viagens ilimitadas, inclusive para Burano e Murano). Na Cinque Terre, usamos o passeio de barco do Consorzio Marittimo Cinque Terre que também nos permitiu conhecer 4 das 5 Terre (€ 26,00 para o dia inteiro, permite embarques e desembarques sem limite).
Os vaporetto, em Veneza, funcionam como meio de transporte mas também como passeio (€ 30,00 o passe de 2 dias)
  • A forma de economizar é descartar alguns passeios ou pontos turísticos. Portanto, avalie bem o que você deve fazer. Eu consulto fotos, opiniões e informações de outros viajantes, para decidir se eu quero ou não conhecer determinado lugar ou fazer determinado passeio.

Não deixe de fazer passeios porque está caro

  • Mas se o lugar parece ótimo, não deixe de fazer porque está caro. Já que está na chuva, é para se molhar. Você não sabe se vai ter outra oportunidade de entrar na Gruta Azul em Capri, por exemplo.
  • Em outros casos, não faça só porque todo mundo faz. Nós nos arrependemos de ter gasto € 104,00 por pessoa no show do Moulin Rouge, em Paris. O show até tem seus momentos divertidos, mas o preço está além da conta.

Enfim, somando a despesa não fica barata. No nosso caso foram cerca de € 700,00 com entradas em lugares turísticos, passes e viagens de barco. 

Um passeio de barco, na Costa Amalfitana, leva os turistas até a Gruta Azul em Capri (€ 18,00 por pessoa)

7 – O que levar: dinheiro em espécie ou cartão de crédito

  • Portanto, levamos cerca de € 1.300,00 em cash e ainda tivemos que que fazer retiradas de cerca de € 700,00 nos caixas eletrônicos na Europa. Foram 30 dias de viagem.
  • Considere também os gastos com IOF (6,38%). Na nossa viagem, foram nada mais, nada menos do que € 300,00 com o imposto. Troque seu dinheiro na casa de câmbio ou use o cartão (seja de crédito, débito ou pré-pago), não dá para escapar. Pagou em moeda estrangeira, rolou cobrança de IOF.

Portanto, calcule em média de € 30,00 a € 40,00 por pessoa, por dia, para os gastos diversos em moeda local se for um viajante econômico. Se não quiser economizar tanto, planeja uns € 50,00 por dia. 

Conclusão: Orçamento Final da Viagem

Ref.: França e Itália | junho de 2015

Gastos Diversos

Considere que uma parte dos pagamentos de transporte e passeios estão inclusos nos gastos diversos (porque pagamos em dinheiro), então os valores podem sofrer variações.

Esses valores servem apenas como base para você ter uma vaga ideia de quanto custa uma viagem para a Europa de 30 dias. Seus gastos irão variar, baseado no seu estilo de viagem (econômico ou não), nos hotéis que você escolher e nos passeios e lugares que irá fazer.

Fique ligado nas próximas matérias. Ainda temos muita coisa linda para contar e mostrar.

Sugerimos a leitura:

Europa em 30 Dias: Roteiro pela França e Itália

Roteiros e Dicas da Europa: Espanha, Portugal, Grécia, Suíça

O que fazer na Toscana: Roteiro de 5 Dias


Leia mais em outros blogs:
Destino Provence: Pequeno guia de sobrevivência em restaurantes franceses
Passeios na Toscana: Gastronomia Italiana: Entradas Típicas na Toscana
Dicas de Roma: Dicas para não gastar muito em restaurantes

© 2015 Fabio Pastorello. Todos os direitos reservados. A reprodução de textos e/ou imagens não é permitida sem prévia autorização do autor.

share on:
Fabio Pastorello

Fabio Pastorello

Editor do Viagens Cine, fotógrafo e videomaker. Curte cinema e leva a vida e as viagens com toques de romance, drama e aventura. Formado em Letras, ex-bancário e muito mais feliz como blogueiro de viagens.

19 comentários

  1. Concordo com cautela sobre pontos ditos “obrigatórios”. Casa de Anne Frank, em Amsterdam, por exemplo, é, para mim, um emblema de “roubada”. Caso não tenha adquirido ingresso pela internet, terá que se sujeitar à imensa fila para comprar. E visitar uma casa vazia e pagar proporcionalmente caro. Com cafeteria interna, mais uma oportunidade de arrecadar. Na saída uma absurda urna que pede donativos para a manutenção da Casa.
    Pura perda de tempo e dinheiro para uma cidade magnífica como Amsterdam.

  2. Boa tarde! Eu e meu noivo queremos ficar 2 dias em Paris, 2 em Lisboa, 2 em Amsterdã e 2 em Londres. Tirando passagens aéreas e hospedagem, quanto você acha que vamos gastar por dia com alimentação e passeios? obrigada! adorei o post!

  3. Olá! Meu marido e eu ficaremos 14 dias na Europa, sendo 4 em Roma, 3 em Praga, 3 em Lisboa e 4 em Paris. Queria saber por alto quanto iremos gastar por dia apenas com alimentação, transporte e passeios. Se alguém tiver alguma estimativa agradeço!

  4. amei suas dicas…..gosto muito de cruzeiro tambem……mas os cruzeiros intinerantes que para mais em portos do que navegam…………….é um custo beneficio sensacional.
    curto muito suas dicas….sempre bem vindas,.feliz 2017

  5. Ótima postagem!! Mais esclarecedor que tudo que li!
    Um pedido: Eu vou com meu marido em junho para um casamento na Ítalia, chegamos lá na sexta e o casamento é no sábado, próximo a Milão. Depois tenho de domingo a domingo para fazer um roteiro que inclua Londres. Me sugere lugares por favor, eu não tenho a mínima ideia!

    1. venezza 2 dias…..roma sendo q 1 dia pra florença va de manha com trem e volta de noite p roma….1 hora e pouco……5 terre 1 dia….napoles…..tudo rapido e bacana..milao em 1 dia voce conhece…..é uma sao paulo…..roma 3 dias…..e 4 dias de london…no minimo.

  6. Oi Fábio.
    Vou pra Europa em janeiro 2017, tava pensando quanto levar em espécie pra 10 dias, o artigo foi bastante útil em esclarecer.

    1. Que bom Cristiano. Recomendo mesmo levar uma boa quantia em espécie, para evitar os valores praticados pelos cartões. Abraços.

  7. Ola bom dia. Em Fev/17 farei a “viagem dos sonhos” com minha esposa e nossa filha de 2 anos pela Europa. Vamos começar por Madrid, Munique (pulo em Salzburg), Zurique, Berna, Genebra, Bolonha e Milão. Serão quase 18 dias, descontando 2 para viagem ida e volta ao Brasil. Minha grande dúvida é: algo em torno de 4.500 euros seria o suficiente para boa alimentação, transporte (trens) e passeios? Como vou com esposa e filha, pequena ainda por cima, não gostaria de passar alguma dificuldade.

    Abraços e parabéns pelo site.

    1. Olá Jonatas. Como você viu na tabela acima, nós gastamos cerca de 4.500 euros por pessoa, para 30 dias. Como vocês vão ficar menos tempo, vale fazer a conta comparando com nossos 30 dias. De qualquer forma, é sempre bom levar um cartão de crédito internacional habilitado, para usar em caso de qualquer emergência. Abraços e obrigado pelo comentário.

  8. Oi Fábio! amei as dicas!

    No nosso caso queremos fazer um Tour por 10 dias
    Veneza-Florença-Roma
    Paris-Suiça
    Atenas

    Acha que consigo fazer nesses periodos e quanto gastarei?

    Grata! Abraços

    1. Oi, Nat. Que legal que gostou das nossas dicas. Olha, eu recomendo pelo menos 3 dias em cada um desses lugares, então para 10 dias você só conseguiria fazer 3 lugares, no máximo. O roteiro Veneza, Florença e Roma você conseguiria fazer bem, ou então Paris e Suiça. Sobre os gastos, acho que você já encontra todas as informações nesse post. Abração!!!

  9. Oi, Vic. Nessa viagem fizemos somente França e Itália e ficou super corrido, então pense direitinho sobre o que você quer incluir no roteiro. Mas lógico, são todos lugares incríveis (Irlanda eu ainda não conheço). Abraços.

  10. Às vezes é melhor não saber kkkkk… Mas a gente criou essa série aqui no site e como tem bastante procura, a gente sempre se organiza para apurar os gastos. Abração Deyse!

  11. obrigada por citar meu post! Gente, eu não sou nada organizada assim, não conseguiria saber quanto eu gasto!!! parabéns pelo post muito bom, dá pra se ter uma boa ideia de preços.

Deixe um comentário